Início > Acadêmicos > Cicero Sandroni

Perfil do Acadêmico

Sexto ocupante da Cadeira nº 6, eleito em 25 de setembro de 2003, na sucessão de Raimundo Faoro com 36 votos (a unanimidade dos votantes), foi recebido em 24 de novembro de 2003 pelo Acadêmico Candido Mendes de Almeida. No mesmo ano, eleito tesoureiro da Presidência de Ivan Junqueira, dois anos depois, Secretário-Geral do Ministro Marcos Vinicios Vilaça. Tomou posse como Presidente da ABL em 13 de dezembro de 2007, eleito pela unanimidade dos seus pares. Presidiu a ABL nos anos de 2008 e 2009.
Cadeira: 
6
Posição: 
Atual
Antecedido por:
Data de nascimento: 
26 de Fevereiro de 1935
Naturalidade: 
São Paulo - SP
Brasil
Data de eleição: 
25 de Setembro de 2003
Data de posse: 
24 de Novembro de 2003
Acadêmico que o recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Não há motivo para rir

    O Globo, em 05/02/2015

    A foto da primeira página do GLOBO de segunda-feira, dia 2, mostra o presidente eleito da Câmara dos Deputados eufórico, a gargalhar, cercado pelos eleitores também álacres, punho esquerdo para o alto, numa demonstração de euforia pela vitória alcançada, parecida com a das torcidas de futebol quando os seus times derrotam os adversários.

  • O engraxate de Nabuco

    Entre os presentes à inauguração da estátua de Joaquim Nabuco na Praça Manuel  Bandeira, ao lado do Palácio Austregésilo de Athayde, justíssima homenagem ao grande abolicionista pernambucano sugerida pelo presidente da ABL, Marcos Vilaça, e concretizada pelo prefeito Eduardo Paes, circulava um menino magrinho, bem moreno, com a aparência de 10, no máximo 11 anos, com sua caixa de engraxate. Na forte ventania daquela tarde, a desmanchar os cabelos de damas e cavalheiros, o menino se esgueirava entre os presentes, ágil, mas sem esconder o temor de ser repreendido por incomodar gente importante. Na insistência em sobreviver, ele repetia, a frase típica dos profissionais do seu ofício: "Vai uma graxa, doutor?"

  • A França volta ao Petit Trianon

    A influência da França na cultura brasileira, notada desde os tempos coloniais, exerceu-se de forma mais aguda após a queda de Napoleão em 1815. No correr do decênio seguinte, partidários do imperador derrotado, perseguidos na restauração dos Bourbon, vieram para o Rio de Janeiro, atraídos por um regime monárquico, mas liberal e constitucional, na promessa do jovem imperador Pedro I.

Vídeos relacionados