Início > Artigos > A pequena política

A pequena política

O ministro Moreira Franco, em entrevista ao GLOBO, justificando a política do "toma lá dá cá" explicitada por seu colega Carlos Marun, que exigiu o apoio à reforma da Previdência em troca de financiamentos de bancos públicos, disse que o sistema de reciprocidade existe desde a Roma Antiga.

De fato, se pegarmos o livro "A campanha eleitoral na Roma Antiga", do historiador alemão Karl-Wilhelm Weeber, veremos que "operava o princípio da assistência recíproca":(...) A rede de amigos ativos na política constituía-se, no contexto da campanha eleitoral romana, um elemento de capital importância".

Era importante, diz o historiador alemão, mobilizar velhos aliados, cobrar a gratidão por um benefício concedido, cercar-se de amigos ativos na política que tiveram apoio em situações análogas e, se possível, exibir a simpatia de apoiadores célebres, prestigiados, que possam fornecer referência sobre a capacidade do candidato.

"Sucesso gera sucesso", um solgan válido até para a campanha eleitoral romana. Quanto mais numerosos e prestigiados eram os apoiadores, tanto mais provável que as pessoas simples seguissem esse "modelo". Até mesmo os vizinhos tinham papel importante nas campanhas eleitorais.

O depoimento dos vizinhos sobre as qualidades do candidato era mais importante que o de apoiadores anônimos, pois, supostamente conheciam os hábitos dos candidatos e viviam seu dia a dia, podendo garantir suas qualidades para representante da região. Era muito comum que as inscrições nas paredes afirmassem que "os vizinhos" apoiavam este ou aquele candidato.

Até mesmo existia um pequeno manual da campanha eleitoral, atribuído a Quinto Tullio Cicerone, para orientar seu irmão mais velho, o grande orador Marco Tulio, que foi eleito cônsul em 63 AC. O manual determinava duas regras fundamentais: tornar-se o mais popular possível, dar a impressão de ser simpático, cercar-se do maior número possível de apoiadores e aliados e fazer com que os eleitores saibam.

Um conselho básico: não dizer "não", nunca, ao eleitor, e prometer tudo a todos. Se não der para ganhar tempo sem responder, adocicar a resposta negativa com palavras gentis e compreensivas. Indispensável, embora discutível do ponto de vista ético, diz Cicerone, era a fusão, em um só indivíduo, do homem bom (bonus vir) e o hábil contentor (bonus petitor).

Ele definia assim, com brutal franqueza: A primeira é a característica de um homem honesto; a segunda, de um bom candidato". O livro toma por base as eleições de Pompeia, sobretudo a mania do que chamamos hoje de grafites. As paredes dos edifícios do chamado mundo romano eram completamente cobertas por mensagens eleitorais, completamente sem conteúdos ou mensagens programáticas, mas ressaltando a personalidade dos candidatos e seus temperamentos, menos suas ideias políticas, relata Karl-Wilhelm Weeber, ressaltando que nesse ponto há uma analogia impressionante com os dias atuais.

O poeta Giovenale é citado ao lamentar este estado de coisas; "Panem et circenses (pão e circo): o povo romano não deseja outra coisa e em troca deixa que tirem seus direitos políticos". Não havia ainda agências publicitárias e as mensagens que apareciam nas paredes das cidades eram geralmente palavras de voluntários. Mas havia pintores e vários trabalhadores especializados em campanhas eleitorais, que às vezes trabalhavam em time, que incluía inclusive escritores.

Como se vê, o ministro Moreira Franco tem razão, esse sistema de reciprocidade existe mesmo desde a Roma antiga. Mas não quer dizer que seja um modelo a seguir, especialmente porque este tipo de política vulgar predominava especialmente nas eleições municipais. É preciso não esquecer que havia eleições em que a "grande política" dominava, principalmente em Roma no século I DC. 

O Globo, 07/01/2018