Início > Artigos > Intervenção e educação

Intervenção e educação

Por is­so mes­mo, a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia de mais de 60 anos de ati­vi­da­des na edu­ca­ção nos le­va a acres­cen­tar al­guns co­men­tá­rios à de­ci­são pre­si­den­ci­al de de­cre­tar a in­ter­ven­ção fe­de­ral na se­gu­ran­ça do Rio de Ja­nei­ro, com o pra­zo li­mi­ta­do até 31 de de­zem­bro de 2018. Se­rá que é su­fi­ci­en­te pa­ra ob­ter re­sul­ta­dos fa­vo­rá­veis?

Que era pre­ci­so fa­zer al­gu­ma coi­sa, não há a me­nor dú­vi­da. O pró­prio go­ver­na­dor en­tre­gou os pon­tos, afir­man­do pu­bli­ca­men­te que não ti­nha mais con­di­ções de li­de­rar a sua pró­pria Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça. Res­tou o re­cur­so ex­tre­mo ao go­ver­no fe­de­ral. Se­rá du­ra a ta­re­fa do ge­ne­ral do exér­ci­to Bra­ga Net­to, com quem fi­cou a res­pon­sa­bi­li­da­de de res­ta­be­le­cer na ple­ni­tu­de o em­pre­go da lei e da or­dem em nos­so Es­ta­do.

A nos­sa con­tri­bui­ção é mui­to cla­ra. Pen­sem na pri­o­ri­da­de da edu­ca­ção em to­do es­se pro­ces­so. Sem a mai­or das nos­sas pri­o­ri­da­des aí mes­mo é que os re­sul­ta­dos se­rão pí­fios. Ou al­guém tem dú­vi­da de que os paí­ses de­sen­vol­vi­dos do mun­do de ho­je co­me­ça­ram os seus pro­je­tos pe­la pri­o­ri­da­de efe­ti­va no tra­to da edu­ca­ção? Se não qui­se­rem pen­sar mui­to, fi­ca aqui o exem­plo do Ja­pão, que vi­si­ta­mos três ve­zes, de­pois da Guer­ra, pa­ra sen­tir de per­to a for­ma pe­la qual a na­ção qua­se des­tru­í­da por du­as bom­bas atô­mi­cas se re­cu­pe­rou e atin­giu a li­de­ran­ça da mo­der­ni­da­de. Edu­ca­ção, edu­ca­ção, edu­ca­ção.

Cla­ro que tu­do co­me­ça com um bom pla­ne­ja­men­to, co­mo pro­me­teu o in­ter­ven­tor do Rio de Ja­nei­ro, pa­ra se­guir o ra­ci­o­cí­nio com a con­vic­ção de que, sem re­cur­sos fi­nan­cei­ros, res­ta­rá mui­to pou­co a fa­zer. Re­cur­sos que per­mi­tam dig­ni­fi­car a car­rei­ra do ma­gis­té­rio, com sa­lá­ri­os com­pa­tí­veis, além do ne­ces­sá­rio e ina­diá­vel aper­fei­ço­a­men­to da pró­pria es­co­la. Pre­ci­sa­mos de um no­vo mo­de­lo pa­ra en­fren­tar a cri­se em que nos de­ba­te­mos. Com as bar­ba­ri­da­des co­me­ti­das na Pe­tro­bras o go­ver­no do RJ foi sa­cri­fi­ca­do, fi­nan­cei­ra­men­te, e os re­sul­ta­dos são ní­ti­dos. É pre­ci­so re­pa­rar es­sa si­tu­a­ção, no me­nor tem­po pos­sí­vel, e is­so de­pen­de fun­da­men­tal­men­te das ações do go­ver­no fe­de­ral.

Ou­tro fa­to com o qual não se po­de com­pac­tu­ar: o atra­so nos sa­lá­ri­os dos ser­vi­do­res pú­bli­cos. Nun­ca ti­ve­mos uma si­tu­a­ção se­quer pa­re­ci­da com a dos tem­pos re­cen­tes, com sa­lá­ri­os atra­sa­dos três mes­es e ain­da o des­ca­so com o pa­ga­men­to de­vi­do do 13o sa­lá­rio. Is­so des­res­pei­ta, do pon­to de vis­ta hu­ma­no e pro­fis­si­o­nal, aque­les que de­ram a vi­da pa­ra ser­vir ao Es­ta­do, en­fren­tan­do as­sal­tos, ar­ras­tões e ou­tras se­que­las da nos­sa atu­a­li­da­de. Não se po­de du­vi­dar do re­le­vo da mis­são con­fi­a­da à com­pe­tên­cia e co­ra­gem do ge­ne­ral Bra­ga Net­to. O nos­so de­se­jo é que ele se­ja ple­na­men­te fe­liz.

Diário da manhã (GO), 21/02/2018