Início > Artigos > Força externa

Força externa

No momento em que vários movimentos contrários à Operação Lava Jato, no Legislativo e no Judiciário, tentam conter as investigações contra a corrupção, vem do exterior o reconhecimento dos que fizeram dela um dos mais importantes trabalhos contra a corrupção já realizados.

A força-tarefa coordenada pelos procuradores da República em Curitiba foi reconhecida ontem, mais uma vez, como o órgão de investigação criminal do ano pelo prêmio da Global Investigations Review, o mesmo que já havia vencido em 2015.

 E o Juiz Sérgio Moro,responsável pelos processos de primeira instância da Operação Lava Jato, será, em maio de 2018, o orador convidado da 173ª turma de formatura da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos, papel que já foi desempenhado em outras ocasiões pelo ex-presidente americano Barack Obama e o ex-secretário-geral da ONU Koffi Anan.

Sérgio Moro havia sido homenageado em outubro com o Prêmio Notre Dame, o mesmo já concedido, entre outros, a Madre Teresa de Calcutá e ao ex-presidente americano Jimmy Carter e sua mulher Rosalyn. O prêmio é “entregue periodicamente para homens e mulheres cuja vida e obras demonstram dedicação exemplar aos ideais pela qual a Universidade preza”. (...) “Os homenageados previamente com o Prêmio Notre Dame, cada um à sua maneira, atuaram como pilares de consciência e integridade, suas ações beneficiando seus compatriotas e, através de seus exemplos, o mundo inteiro, quando se comprometeram com a fé, a justiça, a paz, a verdade e a solidariedade com os mais vulneráveis”, informa a Universidade.

Ao receber o prêmio o Juiz Sérgio Moro fez uma afirmação que já se tornou emblemática: “(...)há razões para acreditar que a era dos barões da corrupção está chegando ao fim no Brasil.”.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, ao anunciar a premiação da força-tarefa de Curitiba no Facebook, afirmou que o maior prêmio seria “resgatar o país das mãos de um sistema político criminógeno. (...) mais que prêmios, precisamos de mudanças. De outra forma, daqui a alguns anos, estaremos diante do mesmo descalabro que vemos hoje na política brasileira”.

O presidente da Universidade Notre Dame, reverendo John I. Jenkins, diz que o juiz Sérgio Moro tem os valores para inspirar os estudantes. “Foi um privilégio me encontrar e conversar com o juiz Sérgio Moro no início de outubro. Ele serve como um claro exemplo de alguém que vivencia os valores que buscamos inspirar nos nossos estudantes. Estou grato que ele tenha aceitado nosso convite e estou certo de que ele aportará observações valiosas para nossos formandos da classe de 2018. Sua mensagem sobre integridade e o estado de direito e o seu exemplo de corajosa busca pela justiça são enormemente necessárias em nossos tempos. Nossos estudantes, suas famílias e convidados serão inspirados ao ouvir o juiz Moro”, comentou ao anunciar o convite.

O Juiz Sergio Moro acha que " mais do que um reconhecimento internacional, existe o crescimento de um movimento anticorrupção no mundo inteiro e em especial na América Latina, neste caso em parte influenciado pela Lava Jato (vide Argentina, Peru, Colômbia). Seria uma pena, no contexto em que o Brasil aparece como exemplo no mundo, que sofressemos aqui retrocessos". 

Correção

 A reunião de Lula com Joesley Batista sobre o impeachment de Dilma não se realizou em um hotel em Brasília, como escrevi na coluna de sábado, mas na casa do empresário em São Paulo, segundo denúncia do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Em carta redigida de próprio punho na cadeia em Curitiba, Cunha citou um encontro entre ele, Joesley e o ex-presidente no ano passado. “Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas no dia 26 de março de 2016, sábado de Aleluia (anterior à Páscoa) na sua residência, entre mim, ele e Lula, a pedido de Lula, para discutir o processo de impeachment (de Dilma Rousseff)”.

Cunha afirmou que, no encontro, pôde "constatar a relação entre eles e os constantes encontros que mantinham".

Segundo o ex-presidente da Câmara, sua versão pode ser comprovada com o testemunho dos agentes de segurança da Casa, que o acompanharam, além da locação de veículos em São Paulo, que o teriam levado até lá.
 

O Globo, 07/11/2017