Início > Noticias > Acadêmico e historiador José Murilo de Carvalho coordena na ABL o ciclo de conferências de setembro, intitulado “Os novos populismos”

Acadêmico e historiador José Murilo de Carvalho coordena na ABL o ciclo de conferências de setembro, intitulado “Os novos populismos”

A Academia Brasileira de Letras abriu seu ciclo de conferências do mês de setembro de 2017, intitulado Os novos populismos, com palestra do antropólogo e filósofo uruguaio, naturalizado brasileiro, Bernardo Sorj. A coordenação foi do Acadêmico e historiador José Murilo de Carvalho.

A primeira palestra, com o antropólogo e filósofo Bernardo Sorj, teve como tema “O populismo na América Hispânica” e foi realizada no dia 5 de setembro, terça-feira, às 17h30min, no Teatro R. Magalhães Jr., Avenida Presidente Wilson 203, Castelo, Rio de Janeiro. Entrada franca

A Acadêmica e escritora Ana Maria Machado, Primeira-Secretária da ABL, é a Coordenadora-Geral dos ciclos de conferências de 2017.

O ciclo Os novos populismos terá mais três palestras, às terças-feiras, no mesmo local e horário, com os seguintes dias, conferencistas e temas, respectivamente: dia 12, Leslie Bethell, O populismo na Europa; 19, Sebastião Velasco, A presença da tradição: o populismo nos Estados Unidos; 26, José Murilo de Carvalho, Povo e política no Brasil.

Foram fornecidos certificados de frequência.

Sobre sua palestra, Sorj comentou: “Parafraseando Marx, podemos dizer que um fantasma ronda a democracia, o fantasma do populismo. Diferentemente de décadas passadas, quando pensávamos que o populismo era um produto típico latino-americano, hoje o conceito é utilizado para caracterizar uma enorme variedade de lideranças políticas em países avançados, seja na Europa ou nos Estados Unidos”.

O conferencista disse, ainda, que “falar de populismo pressupõe que sabemos a que estamos nos referindo. Acontece que populismo é um conceito usado para caracterizar uma enorme variedade de líderes políticos e governos, portanto de valor analítico discutível. A dificuldade de definir o populismo é tal que cada cientista social apresenta sua própria lista de líderes populistas, e se alguns políticos são presença certa, dificilmente boa parte dos nomes incluídos são os mesmos”.

Segundo ele, “trata-se, portanto, de uma denominação comum para uma diversidade de orientações ideológicas e base de apoio social. A pergunta que se coloca é se existe algo em comum entre eles e se podem ser incluídos dentro de uma mesma categoria um conjunto tão variado de situações históricas. Certamente existem vários ângulos desde os quais pode ser elaborada uma caraterização do que seja populismo, a nossa perspectiva é de suas implicações para a democracia representativa”.

E concluiu: Para nós, latino-americanos, ainda que as circunstancias sejam lamentáveis, o surgimento de líderes populistas nos países avançados oferece uma oportunidade de participar do debate, já não como exceção, mas como parte de uma nova regra. Democracias em crise e sem credibilidade, que pensávamos ser um patrimônio da região, hoje são um fenômeno global. Quem poderia imaginar que o caudilhismo, a incivilidade e atitudes grotescas, que eram associadas ao legado católico ibérico e a nosso subdesenvolvimento, e que só o realismo fantástico foi capaz de descrever, sejam caraterísticas do ocupante da cadeira presidencial num país rico, protestante e de longa tradição liberal?”

Saiba mais

Bernardo Sorj nasceu em Montevidéu, Uruguai, e mora desde 1976 no Brasil, onde se naturalizou brasileiro. Estudou antropologia e filosofia no Uruguai, cursou o B.A. e M.A. em História e Sociologia na Universidade de Haifa, Israel, e obteve o título de Ph.D. em Sociologia na Universidade de Manchester, Inglaterra.

Foi professor de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais, do Instituto de Relações Internacionais da PUC/RJ e professor titular de Sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Autor de 30 livros e mais de 100 artigos publicados em diversas línguas, ocupou várias cátedras e foi professor visitante em universidades e centros de pesquisa na Europa e nos Estados Unidos. Atualmente é diretor do Centro Edelstein de Pesquisas Sociais e do Projeto Plataforma Democrática.

30/08/2017

Notícias relacionadas

Vídeos relacionados